Skip to content

Clássico da semana: Porsche 909 Bergspyder

05/06/2012
Porsche 909 Bergspyder

Porsche 909 Bergspyder

 

A rivalidade entre Porsche e Ferrari foi feroz durante as décadas de 1960 e 1970. Muitas corridas foram disputadas entre as duas melhores marcas de esportivos do mundo, entre elas as 24h de LeMans, Hill Climb e Can-Am. Em 1967, a Ferrari anunciou o desenvolvimento de um carro de corridas específico para subidas de montanha (Hill Climb) impulsionado por um motor 12 cilindros derivado do seu carro de Fórmula 1. O regulamento daquele ano para estas corridas era o mesmo de Can-Am, mas só seriam permitidos carros equipados com motores de até 2 litros.

Apesar da fama de leveza extrema dos carros da Lotus, quem tinha o domínio de engenharia avançada nesta área era a Porsche. O 909 Bergspider foi lançado em 1968 com carroceria de fibra de vidro com plástico reforçado, chassi de alumínio, suspensão com vários elementos em titânio e discos de freio de berílio, caríssimos e tóxicos. Nesta época valia tudo. O projeto era totalmente voltado para as corridas de subida de montanha, que eram curtas. Com isso, a Porsche pode inovar no tamanho do tanque de combustível, com capacidade para apenas 16 litros, e na eliminação da bomba de combustível (que pesava 1.7 kg), substituída pelo uso de nitrogênio, que era injetado sob pressão diretamente dentro do reservatório de combustível antes das largadas.

Porsche 909 Bergspyder

Porsche 909 Bergspyder

Porsche 909 Bergspyder

Porsche 909 Bergspyder

 

Mantendo a tradição que tinha na época, o motor usado era um boxer 8 cilindros com refrigeração a ar, que gerava 275 cv a 9.200 rpm. O inovador projeto permitiu um chassi curto e largo, com as rodas posicionadas nas extremidades do carro, possibilitando estabilidade e dirigibilidade ótimas. Na busca por uma distribuição de peso perfeita, o motor ficava praticamente no meio do carro, reduzindo muito o espaço para o piloto, que ficava posicionado praticamente entre as rodas dianteiras.

O resultado da engenharia foi espetacular: o carro pesava apenas 375 kg (sem piloto e combustível). Mesmo com tantos esforços, o carro não chegou a ter os resultados esperados. Mas a dedicação radical a este projeto trouxe inúmeros aprendizados à Porsche, que posteriormente os aplicou a futuros carros que inevitavelmente obtiveram sucesso.

 

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: