Skip to content

Clássico da semana: Rover SD1

04/12/2012
Rover SD1

Rover SD1

 

A marca inglesa Rover já teve sucesso e foi motivo de orgulho para muitos britânicos (não que seja o caso do clássico de hoje). Atualmente, a marca vive sob capital e domínio chineses, perdendo quase que integralmente sua personalidade. Mas nem sempre foi assim. No final dos anos 1960 e início dos anos 1970, a montadora fazia parte do grupo British Leyland (BL), e começou a desenvolver, juntamente com a Triumph, um novo sedã grande para substituir de uma vez só os modelos descontinuados das duas marcas.

David Bache foi o responsável pelo design e Spen King pela engenharia. A parceria dos dois já tinha dado bons frutos, como o Range Rover. O projeto foi nomeado inicialmente de RT1 (Rover Triumph Number 1) e logo mudou para SD1 (Specialist Division Number 1), que era o novo departamento do BL do qual as duas marcas passaram a fazer parte.

 

Rover SD1

Rover SD1

 

Depois de algumas tentativas com desenhos angulosos, que não agradaram, surgiu um novo desenho com fortíssimas inspirações na Ferrari Daytona da época. O Rover SD1, que também foi chamado de 3500, 2300 e Vitesse, era realmente parecido com sua “mãe” italiana, mas ao mesmo tempo era estranho ver um desenho belíssimo adaptado a um desengonçado sedã inglês de quatro portas. O interior tinha suas particularidades também, como a saída de ventilação estranhamente posicionada em frente ao rosto do passageiro e o cluster com mostradores, que era encaixado na parte superior do painel, facilitando a instalação dele para mercados com direção do lado esquerdo, como o norte-americano. O restante do interior, que incluía assentos e painéis de portas era copiado da Ferrari Boxer.

 

Rover SD1

Rover SD1

 

Apesar das esquisitisses, o Rover DS1 era bem prático e confortável. Tinha coluna de direção ajustável, muitos porta-objetos, assentos traseiros bipartidos, retrovisores com ajuste interno, entre outras coisas. Mesmo com diversos pedidos para a instalação de um limpador no vidro traseiro, David Bache insistiu que seria desnecessário, pois a aerodinâmica era suficiente para deixar o vidro limpo. Se a crença dele estava certa já é outro assunto.

O carro passou por algumas pequenas alterações de design, mas não chegaram a mudar o shape original do carro. Durante sua existência, de 1976 a 1986, teve uma gama ampla de motores, com 4, 6 e 8 cilindros. Uma grande variedade de propulsores sugere benefícios, mas nenhum deles era brilhante. Seria melhor ter lançado o SD1 com apenas um motor que fosse realmente bom. Mesmo fazendo parte do BL, que nunca foi uma unanimidade entre os ingleses e tendo esquisitisses e improvisos no projeto, ele vendeu mais de 300 mil unidades em 10 anos. Clássico!

 

 

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: